domingo, 9 de maio de 2010

Mães e Águias


De tanto que me amou,
Mulher,
Você me estragou.
Mulher,
Com seu maldizer
Estragou o que seria mais forte em meu ser

Às vezes te odeio pelo que sou
E é um ódio bem inofensivo é passageiro
Pois como dizem,
Mulher,
Só o teu amor é verdadeiro

Deu-me tanta proteção
Que agora me vejo fraco quase sem ação
Mulher,
Por que não fez como as águias?
Tirasse-me pra fora do ninho de espinhos
Me joga-se lá do alto
Na queda em direção ao perigo encontraria meu caminho

Mulher, eu venho lhe dizer
Um dia sairei do ninho do alto do rochedo
E voarei alto e alto
Deixando aquilo que pôs em meu peito, o medo

.................................................................................................

Feliz dia das mães.



imagem:http://dessiner.files.wordpress.com/2010/02/paulo-roberto-mulher-e-aguia.jpg

segunda-feira, 3 de maio de 2010

colateralidade


Pode-se acabar com o analfabetismo e o semi-analfabetismo
Pode-se e deve-se acabar com a corrupção
Pode-se por um fim a violência nas favelas e em todo lugar
Podem-se zerar as filas e leitos em hospitais públicos, por que diabos temos que pagar impostos e ainda um plano de saúde?
O tráfico de drogas também pode ter um fim
A miséria e a fome em palavras ou nas barrigas não deveriam existir
Sem cidadãos de primeira e segunda classe, A desigualdade deve ser banida
Os programas de TV nos deixam burros, lobotomia não, os programas educativos e culturais em que horário estão?
E por que nada disso acontece?
Porque é interessante pra alguém que fiquemos assim
Quem é esse alguém? Sou eu? É você?
Acho que não
Esse alguém não tem nome esse alguém são alguns
É interessante pra esses alguns que fiquemos burros e incultos, pois aí ficamos pobres e perdidamente assustados em meio à violência e hipocrisia de corruptos, esta que também não deixa de ser violência
É interessante que sejamos como um remédio ineficaz
Temos que ser um comprimido amargo com efeitos colaterais quase fatais temos que causar um choque anafilático nesse sistema sujo que nos torna um sub-povo em um sub-país