domingo, 23 de agosto de 2009

Aí mulher(S) qual o seu olhar?

Um dia em minha “longa” vida resolvi escrever um livro. Escrevi alguns vários capítulos, aí pensei. E depois de pensar conclui que tinha pouca experiência de vida pra escrever um livro, aí parei. Parar não foi o suficiente, apaguei (Del). Mas a vida é uma caixinha de surpresas e fuçando na minha bagunça particular, encontrei um rascunho que havia feito a caneta mesmo. Era um capitulo pequeno, em que o personagem principal falava sobre observar olhares femininos. Não desisti de escrever um livro, também não vou abandonar a idéia central e o estilo, mas acredito que estarei mais preparado e com um conteúdo mais interessante lá pelos trinta. Por hora está aí o capítulo sem titulo.




Acho que poucos homens reparam nos olhos das mulheres o quanto eu reparava, reparo ou vou reparar até que o tempo canse de vez a minha vista. O que quero dizer é que os olhares femininos trazem as estações do ano. Sendo assim algumas mulheres carregam o verão em seus olhos, aquecem facilmente qualquer ser do sexo oposto. O problema é que muitas vezes, nós, homens, acreditamos que o calor causado por tal “verão”, só serve mesmo para dar aquela vontade de ficar sem roupa e deixamos esses olhos transbordados por chuvas de verão.
Outros raros são frios, tristes, como o inverno, e necessitam ser aquecidos. Para isso basta recebê-los com ternura e compreensão, assim quebrando todo gelo. Estes olhares realmente precisam de cuidado, pois mal tratados só esfriam mais. Existem também os que são como as folhas do outono, secos, caídos, sem cor, sem graça e maduros, talvez. E por fim os cheios de cor e vida como a primavera, trazem a alegria aquela vontade louca de cantar simplesmente por ouvir os pássaros ou ver tantas flores a desabrochar. Você pode até se apaixonar facilmente por eles e só por eles e bom um bom tempo, mesmo tendo visto-os só uma vez.

Na realidade toda mulher carrega nos olhos as quatro estações do ano. Porém vai de um homem fazer com que cada um apareça, pois sim faz parte obrigatória de um relacionamento cada olhar. Assim como as estações fazem sua parte indispensável num ano. Só que os olhares não têm nenhuma delimitação de tempo. Feliz é o homem que faz nos olhos de uma mulher a primavera por muito tempo durar.

sábado, 22 de agosto de 2009

Teatro


Queria ser em todo tempo
todo em sentimento,
mas não.
Só sou
assim
quando o lápis na mão.

Sou só assim
todo em sentimento,
mas em todo tempo
sou soterrado nesse cimento.

domingo, 16 de agosto de 2009

POETAS


Poetas são sempre como crianças
No amor depositam suas esperanças
Por mais que as rugas demonstrem suas idades
Nunca vão alcançar nos sentimentos a maturidade

São bem tolos, sonhadores e babões
À suas amadas dedicam até orações
Bem sabem da história de flores roxas
Por isso, amam, sim somos trouxas

Bebem pra esquecer sabendo que só vão lembrar
Desesperam-se loucamente sem poder gritar
Amam e permanecem no erro e é burrice
Mas viver sem amor, sim, é a maior tolice

São loucos inventam pela poesia; um amor, uma dor
São ousados descolorem e colorem qualquer flor
Têm o poder de ensinar o que nunca aprendem
Agem por impulso e só às vezes se arrependem

Bons poetas não precisam de rimas, métrica ou regras
Sabem que o poema perfeito
É aquele que escrito bem ou mal sai do fundo, do fundo do peito

Postagem de aniversário

A 'reF´9 que pediu.



Meu hoje é meu aniversário de 19 anos.
E bem FDP foi esse ultimo ano, bom pelo menos uns cinco meses dele. A última vez que passei por uma fase, digamos assim, “pesada”, foi quando meu pai e minha mãe se separaram. E olhando com meu binóculopsicocronológico para esses cinco meses “pesados”, fico me fazendo varias perguntas. A principal: “quem era aquele?”. Com certeza não era eu. Fraco, desequilibrado, sozinho por opção, antissocial e vendo tudo de um modo sórdido e pessimista. Parei de ler, parei com meu protesto cego e só escrevi coisas tristes durante esse tempo. Estive tão fora de mim que na minha primeira postagem havia um personagem vazio e sem identidade. Arrependo-me de algumas coisas sim, não levo a serio aquilo de não se arrepender. Magoei a mim, magoei pessoas, perdi festas, perdi oportunidades com garotas legais, só quis uma e mesmo assim estraguei tudo (será?), botei na cabeça que tinha que abandonar os velhos amigos e mais um monte de coisa que pareceu fazer sentido nesse espaço tempo. Tudo isso porque em 18 anos tive ou pensei ter total controle sobre mim sobre sentimentos, mente o qualquer outra definição idiota inventada pelo homem, tudo isso porque tive uns problemas (um pouco subjetivos pra serem colocados aqui). Tomei um tombo feio e como sempre, sim, poderia pedir ajuda a varias pessoas. E como sempre, não, não fui atrás de ninguém e dei meu jeito de levantar sozinho. Uma amiga disse que preciso parar com isso, contudo me encaixo nessa classe estranha dos indivíduos indevidos que ajudam classe dos altruístas e vai ser sempre assim seu problema, nosso problema. Meu problema? Estou muito bem obrigado. Bom, talvez, mude um dia.
O que concluí são várias frases feitas, “O mundo não para pra você se levantar“, “o que não te mata te deixa mais forte”, ”nem sempre a fraqueza que se sente quer dizer que a gente não é forte” e “blábláblá”. Aprendi que aprendizado pode muito bem vir com a dor e não só com o amor. E PQP hoje vou receber vários parabéns hipócritas e a outros poucos sinceros por orkut e pessoalmente, presentes e tudo mais e no fundo pra mim não faz tanto sentido nada disso.
E pra concluir nos dois últimos meses reencontrei minha identidade e essa fasezinha na verdade só me fez umas cócegas bem incomodas e agora to preparado pra mais um ano de vida e qualquer fasezinha pesada que possa vir de brinde.

"Eu canto porque o instante existe
E a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
Sou poeta."

sábado, 15 de agosto de 2009

A velha historinha

Por qual motivo eles não tiram esse cara do lugarzinho dele?
Porque seria o mesmo que jogar muita merda no ventilador numa sala bem fechada e lotada.
Infelizmente quem sofre é a gente com a velha história: “Nós somos os palhaços e eles a alegria”.

Até quando?
Tanto faz, já não dói mais mesmo

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

simplicidade eis a questão


...hoje abandonei o carro do "trampo"
....fiz tudo de a pé
.....ou a pé
......ah,quem se importa?
.......tem um lindo sol lá fora

domingo, 9 de agosto de 2009

Escravos


E assim a gente segue, escravizados por nossas próprias criações. E assim a gente segue, deixando sem perceber, pedaços de papel e ponteiros giratórios controlarem nossas vidas.

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Igualdade Social

No meu emprego descarregando a compra semanal do mercado, notei que meus patrões desfrutam do mesmo vinho barato que eu. Naqueles segundos, segurando aquela sacola anti-natureza, tive noção do que é igualdade social.

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Estou Lendo

O Médico - Rubem Alves
Comecei a ler hoje não tenho muito o que dizer, parece ser um bom. Por enquanto segue prefácio, já que ele me fez comprar o livro.

"Pensar é estar doente dos olhos", disse Alberto Caeiro.
Pode ser que você ainda não tenha se dado conta disso, mas o fato é que todas as coisas belas do mundo são filhas da doença.
O homem cria a beleza como remédio para o seu medo de morrer. Pessoas que gozam saúde perfeita não criam nada. Se dependesse delas, o mundo seria uma mesmice chata.
Por que haveriam de criar? A criação é fruto do sofrimento.
O Médico(1961) - Sir Samuel Luke Fildes(1844-1927)

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Ipê rosa

Minha cidade está cheia disso e até a seujeira que fazem no chão é linda.