domingo, 25 de outubro de 2009

Enquanto proibidos....

Não tenho medo nenhum de me expor de mostrar as cicatrizes e os pecados ao contrario de ti

Somos diferentes

Não tenho medo nenhum de me expor sou isso, sou fogo

Queimo, devasto, tomo vários caminhos,

Fujo do controle e devoro florestas, levo grandes construções ao chão

E assim amedronto-te

Mas também aqueço ilumino e trago progresso

Tu és água corres sempre na mesma direção, deságuas, congela-se dentro de si, foges, evapora-se

Quando tu estás cheia, sem nada mais agüentares, rompes-se e choves e é quando és mais visível


Se te tocam, usam-te, bebem de ti e não deixam nada, me entristecem e tu não notas

Se me tocam, queimam-se, arrependem-se

Se me tocas apaga-me, se toco em ti apago-me

Enquanto queimo e devasto, tu evaporas-se e choves apagando-me

Ouça: se assim que é, é assim que será; distantes, ouviste?

A distância é o melhor entre nós

Enquanto tu fores água e eu fogo


.......................................................................................................


Ficou feio o corpo do poema, mas é pelo modelo do blog.



5 comentários:

Mariposa Louca disse...

nossa eu adorei
achei forte
gostei mesmo
e a foto eh perfeitaaaaa
muito bela sua escolha e as palavras

Leticia LG disse...

Amei o poema. Relações impossíveis, como fogo e água, são as mais gostosas de se ver (ou ler). A foto ficou muuuuito boa, combinou demais com o poema. Adorei!

- Lorenna R. disse...

Já me disseram que proibido é melhor. Machuca, devasta e ainda assim é apelativo.
Dá pra entender ?

mais amor, por favor. disse...

eu amei, simplesmente essa troca de água e fogo foi perfeita e a distancia que eles tem e se um toca apaga e mesmo por vontade do outro de tocar sempre vai acabar apagando. gostei mesmo, parabéns!

donnanina disse...

Água e fogo...vapor!!!!
É...se não tocar a alma, é melhor que nem toque!